a a a

13.12.06

a gente vê o pensamento fixo (09/12/06)

E num foi que resolvemos desacelerar um pouco... Muita informação, dedo no gatilho o tempo todo, fotos, fotos, fotos, textos, textos, textos....

É lógico que mesmo assim, a cabeça não pára, continua, continua...

Resolvemos ver um filme, alugamos um dvd, para sairmos da obsessão. É sempre bom relaxar e são exatamente nessas pausas que acontecem os melhores starts... Sensacional.

Assistimos “carros” – nem assim nos livramos do tema, embora fique aqui um protesto pois NÃO HAVIA NENHUM FUSCA NO FILME!

Pois bem, fomos pegos em cheio com este pensamento da história: como detalhes da modernização, coisas que não imaginamos podem acarretar em (realmente) sérios fins... Não vamos falar do filme, não é essa a questão, mas dos tempos: a paranóia de ganhar tempo, não olhar para os lados, sequer sentir o sol arder no braço repousado na porta do carro... O que se apreende? Asfalto na frente, asfalto pelo retrovisor. Às vezes é automático, todo mundo faz assim, todo mundo, todo o mundo... Será possível que TODO O MUNDO está na mesma fixação?

Há paisagens maravilhosas ao lado. Sempre há. É só virar um pouco a cabeça...

[a curva e a reta: um duelo crônico da modernidade – com grandes desvantagens para a serpente]

a

1 Comments:

Anonymous lellye said...

uma dica (não sei se já ultrapassada):
assistam Koyaanisqatsi (http://www.koyaanisqatsi.org/).

Fala muito desse automatismo, dessa fixação. Não passamos de fileiras de salsichas, sendo processados. E, ao mesmo tempo... imensos, infinitos.

É lindo. :)

4:49 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home